sexta-feira, 18 de novembro de 2011

À flor da pele

Será exato que cada um de nós vive no seu inferninho? Porém contribuindo com seu cadinho de tortura para o inferno geral?

Aquela colega tão meiga nas tentativas de intimidades, sem que eu abra a porta, qual vingancinha vai lançar ou lançou sobre mim?

Aquele arcanjo em que vejo certo desdém misturado com timidez ou mágoa pelo meu afastamento incompreensível, qual sensação realmente vive e registra? O que sente ou pensa quando estou no seu campo visual?

Se eu te maldigo e normalmente me sinto melhor que tu, como posso me frustrar com o que lanças pra cima de mim? Eu queria o quê?

Nenhum comentário: